ARTISTA E ATLETA SIM!

Você não é artista, você não é atleta, você é as duas coisas!

Hoje, 1º de setembro, é comemorado o dia do(a) bailarino(a) e o dia do profissional de educação física.
Pensando nisso, proponho a vocês uma reflexão: A importância do preparo físico para bailarinos. E não somente como bailarino, mas também como coreografo, professores a importância do estudo anatômico, fisiológico e biomecânico do corpo humano, como ferramenta de ensino e de desenvolvimento da parte motora, para prevenção de lesões e aprimoramento das suas modalidades e técnicas.

A dança não trabalha apenas o lado artístico, mas também é classificada como uma atividade física. Trabalhamos a combinação de mente, corpo e espirito, logo, tanto a preparação física quanto artística desenvolve e agregam nos nossos estudos, performances e execuções.

E falando sobre o lado artístico de um bailarino, vocês já se perguntaram, o que te move como bailarino¿ quais são suas aflições, intuições, inspirações, motivações¿ O que move teu corpo¿ como instigo a minha parte artística¿
Nosso lado artístico está relacionado também com o desenvolvimento da nossa criatividade, que, muitas vezes ainda é vista como o gênio da lâmpada que aparece, nos dá o necessário, e voi lá, mas, a criatividade também precisa ser instigada, cultivada, cuidada, com tanta importância quanto o nosso corpo motor.

Com esse post quero levar você a refletir sobre a importância de nos atentarmos a ambos estudos como corpos dançantes, por cuidado e amor a nossa arte.

Feliz nosso dia pessoal!

Por Laryssa Oliveira ~ @laryssaolvra


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Você poderá gostar desses conteúdos:

Últimos posts

DANÇA, TERAPIA E AUTOCONHECIMENTO

Paciência, processos e evolução.

Abraçar aquilo que dói em nós pode nos ajudar, enquanto artistas, a criar.

ARTISTA E ATLETA SIM!

A criatividade dentro da Dança, existe só na hora de coreografar?

O quanto estamos comprometidos a fazer o nosso melhor e o que realmente fazemos?